terça-feira, 27 de abril de 2010

MODA E MÚSICA: NIKE MUSIC SHOE

sábado, 24 de abril de 2010

Leerestademoda.com - BOOK - Versión reducida

quarta-feira, 21 de abril de 2010

Aos 22 anos - Vitorino Campos, um grande talento e empreendedorismo

Vitorino Campos era um dos estilistas do line-up do evento carioca de jovens talentos, mas agora ele está em outra semana de moda: o Dragão Fashion, que começa nesse próximo fim-de-semana! De olho em “Edward Mãos de Tesoura“, filme de Tim Burton de 1990, Vitorino, que tem apenas 22 anos, desenvolveu 21 peças-chave pro outono-inverno 2010. http://www.vitorinocampos.com.br/

Desfile de Moda no Metrô

terça-feira, 20 de abril de 2010

Visonaire Magazine #55 Surprise

Rick Owens Fall Winter 2010/11 Menswear Full Show.

MODA E FUTEBOL: Frankie Morello - Fall Winter 2010/11 Full Show Part 2 - Menswear - High...

Corto Moltedo : ACESSÓRIOS DIFERENCIADOS

MODA NOS QUADRINHOS



O fotógrafo italiano Fulvio Bonavia criou uma série de fotos para o livro ” Questão de gosto” feitas em colaboração com o chef Pete Matia



Havaianas - concurso

As Havaianas, em conjunto com o site de camisetas Threadless, estão lançando um desafio super legal. Vc se cadastra na página da campanha e customiza um kit de camiseta+havaianas. Os dois combos mais bacanas ganhará: U$ 2.500 da Havaianas, o seu desenho na camiseta e nas sandálias, U$ 500 em vale para vc gastar no site Threadless e U$ 2.000 da Threadless.
http://www.threadless.com/loves/havaianas?utm_medium=affiliate&utm_source=gg_aff&utm_campaign=k176230

domingo, 18 de abril de 2010

sábado, 17 de abril de 2010

ESTUDOS DO CORPO


CONSISTÊNCIA


ILHA DAS FLORES

quarta-feira, 14 de abril de 2010

"20 trajes para Europa": diálogo entre moda y literatura

Veinte diseñadores de moda visten textos de autores españoles, belgas y húngaros

La exposición "20 trajes para Europa. Diseñadores dialogan con la literatura" es el resultado de las creaciones realizadas por veinte diseñadores de moda, inspiradas en textos de escritores españoles, hispanoamericanos, belgas y húngaros. Tras su paso por Bruselas y Budapest, esta muestra recala en Madrid, en la sede del Instituto Cervantes, donde se inaugura esta tarde y desde mañana podrá visitarse hasta el 23 de mayo.

Hoy se ha presentado en rueda de prensa en la que han intervenido la directora del Instituto Cervantes, Carmen Caffarel; el vicepresidente ejecutivo del Icex, Ángel Martín Acebes; el director general de Política e Industrias Culturales del Ministerio de Cultura, Guillermo del Corral; el secretario de Estado Educación y Cultura de Hungría, Gyula Balogh; el embajador de Bélgica en España, Johan Swinnen; el presidente de la Asociación Creadores de Moda de España (ACME), Modesto Lomba, y la comisaria de la muestra, Concha Hernández.
Previamente, la ministra de Cultura, Ángeles González-Sinde, ha visitado la muestra acompañada de los organizadores y de varios diseñadores como Roberto Torretta, Purificación García, Davidelfín y Carmen March.

El proyecto forma parte de la programación cultural organizada por la Presidencia Española, en coordinación con los otros dos países del llamado Eutrio, Bélgica y Hungría. Este contexto multidisciplinar y transnacional concede a la exposición alicientes artísticos añadidos, además de una ideología marcadamente europea, ya que no deja de ser una metáfora del constante intercambio que experimenta la ciudadanía continental y de su diversidad cultural.
La moda es cultura
La directora del Cervantes, Carmen Caffarel, ha declarado que si bien al Instituto se le conoce principalmente por su labor difusora de la lengua española, también promociona la cultura, y en ésta “cabe cualquier manifestación artística, siempre que muestre lo mejor de este país, y la moda lo es.” Los diseñadores exhiben “un país moderno y creativo” y contribuyen a divulgar una buena imagen de España.

Caffarel ha augurado para la exposición un gran éxito, como el que ha cosechado en Bruselas, donde la han visitado más de seis mil personas, o como está consiguiendo en Budapest, donde los medios de comunicación húngaros la han elogiado de forma unánime.

Para Guillermo del Corral (Ministerio de Cultura), “la moda es una de las industrias culturales emblemáticas de España” y ejerce un gran efecto sobre las exportaciones que beneficia a todo el país. Ángel Martín Acebes ha asegurado que el Icex seguirá apoyando la internacionalización de la moda española porque el sector textil/moda supone el 5% del total de nuestras exportaciones y genera numerosos puestos de trabajo.

En opinión de Modesto Lomba, la crisis ha demostrado que el sector creativo y de moda es mucho más fuerte que otros. “Somos un ejemplo de apuesta de futuro”, ha sentenciado. La comisaria, Concha Hernández, ha explicado el difícil proceso por el cual ha ligado literatura y diseño a partir de fragmentos de obras de grandes autores que ella eligió buscando que fueran “susceptibles de crear imágenes.”
Las conclusiones creativas de "20 trajes para Europa" corresponden a veinte creadores de moda: doce españoles, cuatro belgas y cuatro húngaros. Ellos son los encargados de vestir la prosa y la poesía de otros tantos escritores belgas, húngaros, hispanoamericanos y españoles, en lo que es una iniciativa que va más allá de la moda y la literatura, ya que es un ejemplo de la fusión artística que predomina en la sociedad actual.
"20 trajes para Europa" es un proyecto de la Presidencia Española de la UE, comisariado por Concha Hernández y organizado conjuntamente por el Instituto Cervantes, el Ministerio de Cultura, la Asociación Creadores de Moda de España y el Instituto Español de Comercio Exterior (Icex). En colaboración con el Departamento de Cultura, Juventud, Deportes y Comunicaciones del Ministerio Flamenco, Wallonie-Bruxelles International, el Ministerio de Educación y Cultura de Hungría, el Museo
En el caso de la literatura en castellano, la experiencia se nutre no sólo de autores españoles, sino de ilustres escritores latinoamericanos premiados con las más altas distinciones de las letras hispanas -Cervantes, Príncipe de Asturias, Reina Sofía de Poesía...-, como en el de Juan Gelman, Álvaro Mutis, Carlos Fuentes o el Nobel Gabriel García Márquez.

María Zambrano, Miguel Delibes, José Ángel Valente, Antonio Gamoneda o Carmen Martín Gaite son algunos de los referentes españoles incluidos en la muestra. Las letras húngaras y belgas, por su parte, también encuentran justo eco a partir de las recreaciones de los textos de Sándor Márai y Hugo Claus, respectivamente. En todos los casos, la selección de las obras ha considerado los distintos géneros literarios (prosa, poesía, ensayo…), aunque la inclusión de Cien años de soledad se antoja feliz y necesaria como un especial homenaje a la celebración del 40 aniversario de su publicación.
La lista de los diseñadores españoles seleccionados -todos pertenecientes a la Asociación Creadores de Moda de España- es la siguiente: Devota & Lomba, Agatha Ruiz de la Prada, Victorio & Lucchino, Carmen March, Hannibal Laguna, Jesús del Pozo, Miguel Palacio, Purificación García, Davidelfín, Amaya Arzuaga, Roberto Torretta y Lydia Delgado.

 A ellos se suman los modistos belgas Michaël Guerra, Katrien van Hecke, José Enrique Oña Selfa y Anna Heylen; y los húngaros Tamás Náray, Miklós Pazicski, Kati Zoób y Natália Gyulai.

Relación de diseñadores y escritores
- España:
Devota & Lomba para “Cien años de soledad”, de Gabriel García Márquez.

Ágatha Ruiz de la Prada para “Ilona llega con la lluvia”, de Álvaro Mutis.

Victorio & Lucchino para “Soles”, de Juan Gelman.

Carmen March para “Cinco horas con Mario”, de Miguel Delibes.

Jesús del Pozo para “Los años con Laura Díaz”, de Carlos Fuentes.

Hannibal Laguna para “Latitud”, de José Ángel Valente.

Miguel Palacio para “La Reina de las Nieves”, de Carmen Martín Gaite.

Purificación García para “Jardín”, de Dulce María Loynaz.

Davidelfin para “Exentos II”, de Antonio Gamoneda.

Amaya Arzuaga para “Delirio y Destino” de María Zambrano

Roberto Torretta para “Carlota Fainberg”, de Antonio Muñoz Molina.

Lydia Delgado para “Barrio de Maravillas”, de Rosa Chacel.

- Bélgica:

Michaël Guerra para “La noche”, de Émile Verhaeren.

Katrien van Hecke para “La pena de Bélgica” de Hugo Claus.

José Enrique Oña Selfa para “Ni de Eva ni de Adán”, de Amélie Nothomb.

Anna Heylen para “Treinta”, de Stefan Hertmans.
- Hungría:
Tamás Náray para “La puerta”, de Magda Szabó.

Miklós Pazicski para “Los días contados”, de Miklós Bánffy.

Kati Zoób para “Confesiones de un burgués”, de Sándor Márai.

Natália Gyulai para “A pesar de la interdicción supe que eras tú”, de Zsuzsa Takács.
Una torre de Babel para los sentidos
«Vestir un poema, un personaje, la magia del momento impreciso que sólo la literatura permite; eso es 20 trajes para Europa», comenta la comisaria Concha Hernández en el catálogo de la exposición. «La historia de Europa novelada ... / ... Y por encima de todo -o a la par-, el vestido que nace de la inspiración directa del fragmento literario.

Todas son pautas para el disfrute, para el goce de una exposición que se transforma en modelo de diálogo intercultural, una torre de babel para los sentidos».

«Vestir un poema, un personaje, la magia del momento impreciso que sólo la literatura permite; eso es 20 trajes para Europa», comenta la comisaria Concha Hernández en el catálogo de la exposición. «La historia de Europa novelada ... / ... Y por encima de todo -o a la par-, el vestido que nace de la inspiración directa del fragmento literario. Todas son pautas para el disfrute, para el goce de una exposición que se transforma en modelo de diálogo intercultural, una torre de babel para los sentidos».

Y concluye: «Este encuentro invita a conocer a nuestros diseñadores, a nuestros escritores, unos y otros
http://www.cervantes.es/default.htm

Moda na política: muito além de combinar terno com sapatos e bolsas

Os políticos passaram a fazer parte do elenco de personagens famosos da nossa sociedade. Eles deixaram de ser conhecidos apenas pelos membros do partido político a que pertencem, chegando às vezes a liderar as manchetes mais por sua imagem que pela repercussão de sua atuação política.


"Estudos indicam que só 7 % da comunicação é assimilada através de conceitos simples, sendo que mais de 90 % é recebida através da comunicação não-verbal", afirma Aiuola Pérez, diretor do centro espanhol Habla y Disfruta Formación y Comunicación. Por isso, dependendo da imagem da pessoa, podemos sentir rejeição ou mostrar interesse pelo que ela está dizendo.

A cada dia surgem mais partidos políticos, o que transforma o ato de atrair eleitores em um desafio. Para conseguir uma maior aceitação, além de cuidar da mensagem, "os políticos devem cuidar de sua imagem: tanto sua forma de falar, de olhar e de movimentar-se como sua forma de vestir".


                                 Dilma Rousseff - estilo PT fashion

 A importância da imagem

Os políticos têm de conseguir votos mediante a palavra, lançando uma mensagem clara do que defendem, mas essa mensagem deve ser acompanhada pela "imagem, que é o elemento que harmoniza, complementa e aperfeiçoa a mensagem política", explicou Yuri Morejón, diretor da Yescom Consulting, à agência Efe.

                             Dilma Rousseff com sua Kelly / Foto: O Globo


Original ou falsa, a bolsa Kelly da ministra Dilma Rousseff tem rendeu pano pra manga entre os fashionistas. Depois que o jornal O Globo divulgou a foto em que ela aparece com sua Hèrmes a tiracolo, a assessoria da ministra declarou que é falsa. A emenda saiu pior que o soneto, já que dá a entender que Dilma compra coisas piratas.

O assessor de comunicação assegura que "em política não basta ser, também é preciso parecer". Para Morejón, "a moda chegou à política para ficar. São aspectos que estão muito ligados, porque a imagem é a forma mais direta de sedução entre o político e o eleitor.

Autêntica Kelly da Hèrmes –
6 mil dólares na mão é apenas um detalhe!

Muitos políticos recorrem a assessores de comunicação, já que nos vinte segundos que aparecem na tela é necessário que "não haja nenhum elemento que distraia ou gere comentários como uma gravata mal colocada ou um vestido chamativo demais", afirma Morejón.

                   Marta Suplicy já despertou até comentários maldosos pelos seus cuidados com a aparência.

A estética passou a ter uma grande relevância nas eleições, já que "há gente que vota por identificação com o político, sua forma de vestir ou se comportar, e a imagem influi nisso", adverte o assessor.

Além disso, Morejón acrescenta que "o objetivo fundamental dos partidos políticos é romper a barreira cada vez maior entre o cidadão e o político, para ganhar sua confiança e para que os eleitores os vejam como pessoas críveis e humanas. Os políticos devem saber se mostrar vitais, frescos e descansados para comunicar melhor. Ou, dito de outra forma, para que as pessoas os conheçam mais, os entendam melhor e os queiram mais".

O papel da mulher
A incursão das mulheres na política é relativamente recente. Ao contrário dos homens, que habitualmente vestem terno e gravata, elas têm uma escolha mais difícil pela frente. Além do terno ou de um vestido, é preciso acrescentar ainda acessórios como brincos, pulseiras, colares e bolsas.

Uma escolha errada de decote, penteado ou de algum acessório transforma algumas políticas em notícia, deixando em segundo plano a mensagem que pretendem transmitir. É o caso de Angela Merkel, que monopolizou as manchetes dos jornais há um par de anos ao ir em uma apresentação com um decote generoso. A presidente da Argentina, Cristina Fernández de Kirchner, também foi notícia em diversas ocasiões devido a sua maquiagem chamativa.

Na grande maioria dos países, as roupas femininas foram evoluindo junto com as tendências da moda, embora seja possível encontrar casos em que a mulher adquiriu um aspecto masculino mediante cabelos curtos e calças ou saias abaixo do joelho.
Estas mulheres com um aspecto pouco feminino conseguem que "sua imagem não desvirtue sua mensagem, que é o que verdadeiramente importa", assinala Morejón. Entre este tipo de políticas, encontramos grandes líderes como Margaret Thatcher , Angela Merkel, Condoleezza Rice e Hillary Clinton.

Cores como mensagem
Escolher a roupa adequada vai além de combinar o terno com os sapatos. As cores nos permitem conhecer a atitude do político e inclusive prever o tipo de mensagem que ele deseja passar sem necessidade de escutá-lo, bastando apenas ver a cor de sua gravata, camisa ou terno.

Normalmente, "o partido no poder costuma vestir cores mais conciliadoras e promissoras, como são azul, laranja, bege ou verdes claros, enquanto os da oposição costumam levar cores mais agressivas como o vermelho", explica o especialista em comunicação Aiuola Pérez à Efe.
Cada cor tem um sentido e simboliza algo que, embora passe despercebido pelos nossos olhos, nos afeta indiretamente. Entre as cores que tem maior expressão encontramos o vermelho que "é marca de força, energia, violência e paixão; o verde, pelo contrário, simboliza a esperança, e o amarelo, a alegria. O azul representa a harmonia, a atitude conciliadora e é um dos mais utilizados entre os políticos junto ao vermelho", informa Pérez.
Fonte: http://noticias.br.msn.com/artigo.aspx?cp-documentid=23682070

terça-feira, 13 de abril de 2010

Concurso Talentos Design 2010


Essa é para os estudantes de design, arquitetura e moda: a Fundação Banco Santander lança, em parceria com o Universia Brasil, a segunda edição do concurso Talentos Design, cujo tema é Design Sustentável. Para participar, é preciso ser maior de 18 anos e estar matriculado em qualquer universidade ou centro de ensino superior.

Apesar da versão brasileira do site divulgar o evento como "Concurso de Desenho", trata-se de um concurso de design (informação confirmada pela organização). Cada participante pode inscrever até cinco projetos, sendo um em cada uma das seguintes categorias: Espaços e Interiores; Industrial ou Produtos; Gráfico; Moda e Têxtil; Digital.

Os vencedores receberão prêmios em dinheiro: 5.000 Euros (para o 1º lugar) e 2.500 (para cada um dos 5 selecionados para o 2º lugar). Além disso, os 50 projetos mais votados pelos internautas participarão de uma exposição em Madri, na Espanha, no segundo semestre de 2010. As inscrições seguem até 27 de abril, e devem ser feitas exclusivamente pelo site do concurso. Lá também estão disponíveis informações mais detalhadas.http://talentosdesign.fundacionbancosantander.com/PT/index.html

DRAGÃO FASHION -2010

De 25 a 28 de abril acontece na capital cearense o Dragão Fashion Brasil (DFB), o mais expressivo evento da indústria da moda do nordeste e um dos principais representantes do cenário conceitual brasileiro. A 11° edição do DFB volta às origens de seu nome e ele como tema: Dragão do Mar- Chico da Matilde, Cearense, Jangadeiro e Abolicionista, conhecido por sua luta pela libertação dos escravos no Ceará.
Com realização de 33 desfiles, assinados por designers de moda em ascensão de todo o País, ao lado de outros já reconhecidos, como Mario Queiroz e Lino Villaventura, que participam das principais passarelas do Brasil. Confira o line-up:
25 de abril
14h00- abertura
16h00- Conexão Solidária
17h00- Jolie! Jolie”
18h00- Iury Costa
19h00- Vitorino Campos
19h30- Mario Queiroz
20h00- Handara
20h30- Ivanildo nunes
21h00- Mar Del Castro
26 de abril
09h30- Dragão Pensando Moda
17h30- Madame Surtô
18h00- Francisco Matias
18h30- MarcusSoon
19h00- Piorski
19h30- Sá Maria
20h00- Pré Lançamento Rommanel por Ana Hickmann
20h00- Skyler20h30- Weider Silveiro
21h00- Lindebergue Fernandes
27 de abril
9h30- Dragão Pensando Moda
16h30- Concurso de Novos- 1° seleção
18h00- Tarcisio Almeida
18h30- Kali Nepomuceno
19h00- SiS Couture
19h30- Tiana Moscoso
20h00- João Pimenta
20h30- Thaís Gusmão
21h00- Walério Araújo
28 de abril
09h30- Dragão Pensando Moda
16h30- Concurso de Novos- 2° seleção
18h00- Melk Zda
18h30- Cristiane Gomes
19h00- Dna Florinda
19h30- Ronaldo Silvestre
20h00- Gustavo Silvestre
21h00- Lino Villaventura
Dragão Fashion Brasil 2010 Data 25 a 28 de abril - Local: Centro de Convenções de Fortaleza  http://www.dragaofashion.com.br/ 

Louis Vuitton volta a colaborar com Takashi Murakami

Esta Primavera, a Louis Vuitton volta a colaborar com Takashi Murakami e apresenta uma nova e colorida colecção de edição limitada: Cosmic Blossom.
O aclamado artista Neo-Pop japonês, que criou as reinterpretações de culto da tela Monograma, como Monogram Cerise, Eye Love Monogram, Monogramouflage e Monogram Multicolore, encontra uma nova tela de expressão com Cosmic Blossom. Num fundo de cores vivas, as icónicas flores do Monograma da Louis Vuitton brincam com rostos sorridentes, um tema recorrente na arte Murakami, que funde elementos gráficos manga com motivos pictóricos tradicionais do Japão.

Divertida e distinta, a colecção Cosmic Blossom inclui pronto-a-vestir, acessórios e artigos em pele em três cores. Para os artigos em pele, a Louis Vuitton desenvolveu uma tela de vinil estampada, cujo acabamento brilhante faz a transição da cidade para a praia. Uma cómoda bolsa holdall em dois tamanhos é acompanhada pela icónica pochette com assinatura Louis Vuitton. As flores do Monograma da Louis Vuitton e os rostos sorridentes estampam também t-shirts, écharpes, lenços e biquínis, iluminando os dias de Verão com o seu espírito alegre e cores doces.
Cosmic Blossom estará disponível nas lojas Louis Vuitton a partir do próximo dia 15 Abril e tem como protagonista a modelo Daisy Lowe fotograda em Miami.
TAKASHI MURAKAMI, nascido em Tóquio em 1962, é um dos mais influentes e aclamados artistas nipónicos da actualidade. Formou-se em pintura tradicional japonesa, conhecida como Nihonga, na Tokyo National University of Fine Arts and Music, mas a popularidade da animação e da banda desenhada manga desviou o seu interesse para a arte da animação, que, segundo o próprio artista, “era mais representativa da vida moderna japonesa”. A cultura popular americana sob a forma de animação, comics e moda são as principais influências do trabalho de Murakami, que abrange pintura, escultura, instalação e animação, assim como uma vasta gama de produtos coleccionáveis e comerciais.

segunda-feira, 12 de abril de 2010

Os Fantasmas de Gustav Klimt

Que o maior desejo do austríaco Gustav Klimt era fazer da Moda uma obra de arte, e que ele foi o primeiro fotógrafo de Moda, todo mundo já sabia.
Para Klimt, toda sensualidade era encontrada na silhueta feminina.
A modelo Húngara Eniko Mihalik foi vítima dos seus quadros e musa do fotógrafo Derek Kettela. Na edição deste mês da 25 magazine surgiram alguns fantasmas...Que fantasmas são esses?

http://www.youtube.com/watch?v=UO71hvu-K_8








PESQUISA, CRIAÇÃO E ESTILO: tecnologia e moda



Enleon: kinetic electronic garment


Technology dresses in a runway show
 

CuteCircuit GalaxyDress at MSI

sexta-feira, 9 de abril de 2010

video da PRADA

quinta-feira, 8 de abril de 2010

Concurso premiará o melhor desenho de joia sob o tema "Estrela"

Seja você o autor do pingente Estrelas do Bem em prol do Retiro dos Artistas, do Rio de Janeiro com uma viagem para participar da Baselworld
Estão abertas até o dia 07 de maio de 2010, as inscrições para o concurso de design de joias "Estrelas do Bem", que a AJESP, com o apoio do IBGM, promove em parceria com o Retiro dos Artistas do Rio de Janeiro.
Tendo como fonte de inspiração a Estrela, o concurso propõe a criação de um pingente de ouro 18k, que será comercializado na rede varejista participante da campanha. Parte da renda será revertida ao Retiro dos Artistas, do Rio de Janeiro, que assiste profissionais das diversas classes artísticas, tais como música, teatro, dança, circo, literatura, artes plásticas, entre outras.
Cada designer poderá participar com até 03 desenhos que enfatizem o conceito da palavra Estrela que é "espalhar luz", neste caso, a luz proveniente da arte e seus protagonistas, os artistas. O concurso é aberto a todas as pessoas.
O autor do melhor desenho ganhará uma passagem de ida e volta para visitar a Baselword 2011 - feira de joias e relógios realizada na Suíça - com direito a hospedagem e translado, além de certificado de premiação.

A iniciativa faz parte do núcleo de responsabilidade social da AJESP e tem como objetivo a integração da ourivesaria no mundo das artes, além de valorizar talentos e fortalecer a associação do produto joia com a arte, cultura e responsabilidade social.
Clique e inscreva-se!
http://www.infojoia.com.br/email/email_estrelasdobem.html

Mais informações, entre em contato pelo e-mail estrelasdobem@ajesp.com.br ou pelo tel. (11) 3016-5850 com Laura.

MANIFESTO “A CULTURA ESTÁ NA MODA”

Outra importante colaboração dos delegados setoriais da Moda na II CNC foi a elaboração e redação do manifesto “A Cultura está na Moda”. Confira o texto abaixo:

“Isto da gente ser exatamente o que a gente é ainda vai nos levar além” P. Leminski
Nunca antes na história deste país tivemos a oportunidade de fazer arte sentindo o gosto de fazer parte. Uma Conferência Nacional de Cultura como esta, mesmo com as imperfeições em seu processo, é uma enorme vitória do povo brasileiro.
Neste momento de inserção do debate e da ampliação da consciência cultural e política no Brasil, chamamos aqui sua atenção para importantes propostas de políticas culturais que, por agregarem também características específicas, necessitarão de sua maior atenção e apoio nas votações.
Assim como a cultura está na moda, chegou a hora da moda ser entendida como arte e cultura. O setor da moda representa o quarto maior PIB do país. Neste sentido, queremos ampliar a compreensão geral de que a moda, envolvendo o setor têxtil, pequenas e grandes confecções, indústrias, estilistas, costureiras, bordadeiras e muitos outros trabalhadores, está ligada e presente em todos os outros setores culturais através das interações de seus criadores com a cultura popular, a música, a arte visual e digital, a arquitetura, etc . E, por isso mesmo, é atualmente líder em geração de empregos.
É fundamental para impulsionar ainda mais este setor e gerar ainda mais oportunidades à população, a implementação de programas legitimamente culturais, que promovam sua aproximação das capacitações, profissionalizações e fomentos ao know how acumulado por estilistas e designers. Isto possibilitaria uma produção de mais e mais qualidade, solidificando assim, as iniciativas de inserção desta produção, absolutamente cultural e social, aos mercados nacionais e internacionais.

Diante disso, propomos à CNC 2010:
Financiar projetos de geração de emprego e renda, promover estudos de mapeamento e fomento de processos sustentáveis na moda com reafirmação cultural em grupos/ comunidades por meio de políticas de capacitação, profissionalização e estímulo à produção e à circulação.

Promover a institucionalização da moda no Ministério da Cultura por meio da criação: do Fundo Nacional da Moda; do Comitê da Moda; e da Agenda Propositiva de Trabalho com o MinC. (Propostas defendidas no Eixo III – Cultura e Desenvolvimento Sustentável).

Assinam: Luciano Cenci (Moda-BA); Luciana Galeão (Moda -BA); Júnia Martins (Comunicação-BA); Francisco Weyl (Audiovisual-PA); Viviane Martins (Moda-RJ); Tereza Accioly (Música-PE); Valber Almeida (Cultura Popular Tradicional-PB); Cassiane Dantas (Moda-PA).”
por: Lauro dos Santos Mesquita, em Resultados no dia 22/03/2010
http://culturadigital.br/setorialmoda/    

terça-feira, 6 de abril de 2010

Estudos do Corpo _ Jô Souza 2010 _ 1ºA - manhã - grupos

*Leveza Bruna Daniela Juliana Cáfaro Juliana Santos Camila Viera Jessica M. Glaucia Natalia Apolonio

*Rapidez Bianca Midori  Camila Zucchi Fernanda Covos
Fernanda Taniz Juliana Carlin Flavia lves Mariana Santos

*Exatidão Erika Y.K.Ito  Heloisa Carvalho Carla Caroline
Mirella Gabriela Ribeiro Halonna Pereira Bruna Ale.

*Visibilidade  Daniela Peixoto Isabela Bastos Isabela Brasileiro Mariana Gleison Bianca Jucilene Araujo

*Multiplicidade Helena Novais Gabriela Gonçalves
Débora Gisele Cristina  Caroline Palumbo Geiseane da Silva

*Consistência  Jéssica Lopes Natalia Alves Beathriz Paz Carolina Germano
Juliana Britto Helaina Tahara

PESQUISA, CRIAÇÃO E ESTILO : Algodão que conduz eletricidade tece primeiras roupas multifuncionais

Roupas funcionais

Em um futuro próximo, quando você for escolher uma camiseta ou outra peça de roupa, ou mesmo roupas de cama, poderá não ser a grife, a cor, ou nem mesmo a estampa, o que lhe fará decidir entre um modelo e outro.Você poderá estar interessado, por exemplo, em uma camiseta de algodão que possa monitorar seus batimentos cardíacos, sua frequência respiratória e sua pressão arterial. Ou talvez analisar as toxinas liberadas pelo seu suor.
Mas haverá opções. Como roupas que coletam a luz solar ou geram energia a partir do movimento do seu corpo para recarregar seu celular ou seu iPod. Que tal então uma fronha que monitore suas ondas cerebrais? Ou um lençol que o aqueça ou refrigere de acordo com a temperatura ambiente?
Algodão condutor
Estas possibilidades ainda estão no futuro, mas um futuro cada vez mais próximo, graças ao trabalho da equipe do professor Juan Hinestroza, da Universidade de Cornell, nos Estados Unidos.
Hinestroza e seus colegas já haviam recoberto fibras sintéticas com nanopartículas, criando tecidos funcionais que podem ser utilizados para fabricar uma roupa antibacteriana que protege contra gripes, resfriados e até poluição.

A tecnologia para transformar as fibras de algodão em fios elétricos consiste no seu revestimento com nanopartículas condutoras de eletricidade. [Imagem: Hinestroza Research Group

Agora eles adotaram um enfoque mais naturalista, e decidiram trabalhar com fios de algodão. O resultado são fibras naturais de algodão capazes de conduzir eletricidade tão bem quanto fios de metal da mesma espessura, sem perder a flexibilidade e a leveza que dão o conforto das roupas de algodão.

Roupa que gera energia
Segundo os pesquisadores, a tecnologia funciona tão bem que simples nós são capazes de completar um circuito elétrico funcional. Para demonstrar isto, eles produziram uma roupa de algodão feita com as fibras funcionalizadas que captura energia solar e a fornece a um dispositivo qualquer, como um recarregador de celular, por exemplo.
A roupa que gera energia será apresentada ao público pela primeira vez no próximo final de semana (13/03), durante o Cornell Design League Fashion Show, um evento promovido pela própria universidade.

Fios de algodão com nanopartículas
A tecnologia para transformar as fibras de algodão em fios elétricos consiste no seu revestimento com nanopartículas condutoras de eletricidade. "Nós agora podemos ter seções de um tecido de algodão fabricado por técnicas convencionais que sejam condutoras, abrindo um leque impensável de aplicações," diz Hinestroza, que chegou aos resultados por meio de uma colaboração com colegas das universidades de Bologna e Cagliari, na Itália.
Segundo o pesquisador, o tecido feito com as novas fibras de algodão, além de conduzir eletricidade, mantém sua flexibilidade, sua leveza e é igualmente confortável.

"Tecnologias anteriores já obtiveram a condutividade [em tecidos] mas as fibras resultantes tornam-se rígidas e pesadas. Nossa nova técnica deixa nossos fios totalmente adequados para o processamento normal dos tecidos, com a tecelagem, a costura ou até o bordado," diz o pesquisador.
Roupas inteligentes
Para demonstrar que a tecnologia já superou a fase da teoria, Abbey Liebman, pesquisadora do laboratório de Hinestroza, projetou uma camiseta que utiliza células solares flexíveis que geram eletricidade, disponibilizando-a em um recarregador USB fixado na cintura da roupa.

A energia gerada é suficiente para alimentar um telefone celular ou um tocador de MP3. E não há fios metálicos conectando as células solares e nem ligando-as ao recarregador USB - somente fios de algodão desenvolvidos com a nova técnica.

"Em vez de fios convencionais, nós estamos usando nosso algodão condutor para transmitir a eletricidade, de forma que nossos fios condutores se tornam parte da roupa," conclui Hinestroza.
Outras tecnologias rumo às "roupas inteligentes" incluem nanofibras que geram energia do movimento, biossensores para monitorar o estado de saúde e monitores de saúde ultrafinos e flexíveis.
O algodão parece mesmo estar em alta junto à alta tecnologia. Há poucos dias, pesquisadores construíram um biochip com linha de costura, feito com agulha de costura e fios de algodão, capaz de realizar exames de laboratório.

ESTUDO DO CORPO : Olho biônico com retina artificial está pronto para ser implantado

Redação do Site Inovação Tecnológica - 31/03/2010
O olho biônico, até agora em fase de testes, consiste de uma câmera super miniaturizada e de um microchip implantado na retina do paciente, funcionando como uma retina artificial. [Imagem: AVPG]

Pesquisadores australianos apresentaram o protótipo de um olho biônico que está pronto para ser implantado no primeiro paciente humano.
A prótese ocular foi projetada para dar melhor qualidade de vida a pacientes com perda visual decorrente da retinite pigmentosa e da degeneração macular.
Olho biônico
O olho biônico, que até agora se encontrava em testes, consiste de uma câmera super miniaturizada e de um microchip implantado na retina do paciente.
A câmera, montada na estrutura de um par de óculos, capta a entrada visual, transformando-a em sinais elétricos que são enviados para o microchip.
O microchip, por sua vez, estimula diretamente os neurônios da retina que continuam saudáveis, apesar da enfermidade.

O implante permite que os pacientes ganhem uma visão em baixa resolução, devido ao pequeno número de células sadias da retina, e limitada pela quantidade de eletrodos da retina artificial. Implante de retina "Nós vislumbramos que este implante de retina dará aos pacientes uma maior mobilidade e independência, e que as futuras versões do implante acabarão por permitir que os usuários reconheçam rostos e leiam letras grandes," diz o professor Anthony Burkitt, membro da equipe responsável pela fabricação do olho biônico.
O objetivo dos pesquisadores é passar de algumas manchas de claridade pouco definidas para uma visão biônica verdadeira dentro de cinco anos.
Até lá, eles planejam contar com uma retina artificial implantada na parte posterior do olho, recebendo os sinais captados pelas câmeras por meio de conexões sem fios.
O olho biônico está sendo fabricado por uma empresa emergente criada pelos próprios pesquisadores, a Bionic Vision Australia, reunindo médicos, oftalmologistas, neurocientistas, engenheiros biomédicos e engenheiros eletricistas das universidades de Melbourne, Nova Gales do Sul e do Centro de Pesquisas dos Olhos, todos na Austrália.
O olho biônico, até agora em fase de testes, consiste de uma câmera super miniaturizada e de um microchip implantado na retina do paciente, funcionando como uma retina artificial. [Imagem: AVPG]

segunda-feira, 5 de abril de 2010

WHO´S NEXT BLOG CONCURSO DE JOVENS TALENTOS

                                        http://www.whosnextblog.com/
                                     http://www.whosnextblog.com/designers/

ISABELA KEIKO - Agent and Promotion Office Brazil & South America


Tuileries by Paris sur Mode - Paris

March 05th to 08th // October 1st to 04th

Première Classe & Who´s Next - Paris

September 04th to 07th

Modamont - Paris

September 14th to 16th

Première Classe & Who´s Next Dubai

Hotel Jumeirah Madinat - October 19th to 21st Under le Louvre Paris

Mobile Brazil.: 55+ (11) 9569 9911

Mobile France: 33+ (0) 6 64 85 89 88

Skype: isabelakeiko

http://isabelakeiko.blogspot.com isabelakeiko@yahoo.com.br 

Mobilidade sustentável em debate na FrançaProjeto estimulou ideias de design inovadoras

Para entender de design, não basta apenas ter conhecimento técnico, mas também estar profundamente inserido no contexto cultural em que se atua. Pensando nisso, a Escola de Design Unisinos e a Ensad (Ecole Nationale Supérieure des Arts Décoratifs) firmaram uma parceria que resultou em encontros realizados em Paris, entre os dias 12 e 19 de março. A iniciativa contou com a participação de pesquisadores, professores e alunos.
Entre os conferencistas estavam o filósofo Xavier Guchet, que refletiu sobre técnica e tecnologia, Virginie de Chassey, responsável pelo setor do desenvolvimento sustentável da Peugeot-Citröen, e os designers Gidéon Loewy e Cédric Carles.
Uma das atividades foi fazer com que os participantes desenvolvessem soluções para o tema “Slow Motion e Mobilidade Sustentável”. A discussão foi pautada pela questão da ética no design.
A partir do briefing, os alunos projetaram cenários e soluções. O grupo que obteve melhor resultado, segundo avaliação dos professores, trabalhou a ideia da reutilização da energia gasta pelo corpo ao realizar movimentos. Para tanto, desenvolveram dispositivo com um dínamo e um kit que permite armazenar a energia usada na pedalada dos ciclistas, para aquecer água e recarregar baterias, por exemplo. Além disso, também pensaram na instalação de jardins comunitários dentro das cidades para o cultivo de plantas medicinais, chás e aromatizantes, com o principal objetivo de unir as pessoas. Ali, os ciclistas teriam também a possibilidade de descansar.

Outra equipe pensou na substituição do asfalto de algumas ruas de Paris por areia de praia, além de um transporte individual, confortável e não poluente sobre trilhos. O 3º grupo desenvolveu caminhos para pedestres, e o 4º idealizou papéis de parede cuja tecnologia permitiria que fossem sensíveis à temperatura e, consequentemente, à aglomeração de pessoas. O calor acionaria nanosdispositivos do material, que poderia se transformar. Usaram o exemplo das galerias do metrô, em que o papel poderia ganhar o aspecto de rachaduras nas paredes, dando uma sensação desagradável e, com isso, estimulando o desejo de ir para a superfície e buscar luz natural.

Por fim, o último grupo projetou um módulo de escritório que poderia ser adaptado ao interior de um trem, avião, navio ou outro meio de transporte, para que executivos pudessem aproveitar o tempo de deslocamento para trabalhar.
A 2ª fase do projeto deverá ser realizada em Porto Alegre (RS), entre os dias 4 e 11 de junho. Os trabalhos selecionados no evento serão apresentados em outubro, na Bienal do Design de Saint-Etienne, e em novembro, em um colóquio em Seul (capital do design 2010).
                                 Fotos: Unisinos/Divulgação - Paula Visoná